Publicado por: Blog do Trio | 01/09/2010

100 anos de Ódio e Resistência

Nação Corinthiana,

Recebi este belo texto do leitor Zé Maria e resolvi dividi-lo com vocês neste espaço, a fim de mostrar que muitas coisas continuam parecidas nos últimos cem anos:

O TIME DOS ANARQUISTAS: 100 ANOS DE ÓDIO E RESISTÊNCIA


por Mauro Carrara

Equipe do Sport Club Corinthians Paulista em 1914.

Há exatos 100 anos, um grupo de operários do bairro do Bom Retiro, em São Paulo, praticaram um ato de “desobediência civil”.

À luz de um lampião, na rua, os insurretos decidiram criar um time de futebol do povo e para o povo.

Atrevidos, decidiram que a nova agremiação não deveria se contentar com a várzea.

O plano era formar um esquadrão para enfrentar, de igual para igual, os clubes da fechada elite paulistana.

Ousados, já meteram a mão em foices para abrir uma cancha num terreno baldio, pertencente a um lenheiro do bairro.

E, no primeiro jogo, contra o União Lapa, saíram em passeata até o palco da contenda.

Mas como passeata? Passeata, sim senhor, porque essa gente era sobretudo anarquista, com a graça do bom Deus.

O primeiro presidente do clube, o ítalo-brasileiro Miguel Battaglia, por exemplo, tivera contanto com o anarcossindicalismo ao prestar serviços para a Light.

É dele a frase cândida, mas também desafiadora, que guia a nação alvinegra até hoje: “Este é o time do povo, e é o povo que vai fazer o time”.

Essa turminha do barulho lia o jornal anarquista de Gigi Damiani, o La Battaglia, que exortava os trabalhadores a fundarem suas próprias escolas e agremiações esportivas.

O time dos anarquistas não tinha bagunça. Cada um sabia das suas atribuições. Cada um assumia uma responsabilidade, conforme o que se aprendera de Bakunin e Malatesta.

E assim se estruturou. Em 1913, os meninos bons de bola conquistam o direito de participar da divisão principal do futebol paulista.

Ao mesmo tempo, o Paulistano e a A. A. das Palmeiras (nada a ver com o atual Palmeiras), enojados do cheiro do povo, se retiraram da liga e resolveram disputar um torneio paralelo.

Começava ali uma história de ódio.

A imprensa questionava a presença de um time de iletrados no mundo do chiquérrimo futebol, um jogo inventando por lordes ingleses.

Quanta petulância!

E para acirrar ainda mais os ânimos, o time dos anarquistas admitia gente de todos os tipos.

Logo agregava os negros, os mulatos, os caboclos e outros filhos da terra.

Mais um pouco e atraía também os outros segregados, polacos, libaneses, alemães, sírios, japoneses e gregos, gente que somente se entendia na alegria de torcer pelo Corinthians.

Imaginem o escândalo: um time de anarquistas, pretos, imigrantes e boêmios invadindo as elegantes festas do Velódromo.

Se o Corinthians ainda existe é por conta da brava resistência ao preconceito.

Tudo lhe foi sempre negado ou dificultado.

A mídia paulistana sutilmente construiu um estereótipo desabonador do corinthiano: é o ladrão, favelado, sem modos, sujo e vagabundo.

E mesmo criminalizado o Corinthians sobreviveu, e se fortaleceu.

E fortaleceu-se por qual motivo? Justamente porque sempre se cria um espírito de resistência solidária entre os oprimidos, ofendidos e injustiçados.

Passaram-se 100 anos, e nada mudou.

O Corinthians continua sendo alvo preferencial da mídia monopolista.

Se o grande São Paulo Futebol Clube recebe um financiamento do BNDES não há nada de errado. É a ordem natural das coisas.

Ora, mas se o banco vai financiar a “pretalhada”, os “gambás”, aí é uma vergonha.

Se a ordem é investir dinheiro público no rico bairro do Morumbi, a imprensa sorri de orelha a orelha.

Mas se a grana toma o rumo de Itaquera, na esfolada Zona Leste, já vira um caso de polícia.

Estadão, Folha, Abril, Globo, ESPN, entre outras organizações midiáticas aproveitaram para criminalizar mais uma vez a paixão de Lula pelo time do povo.

Está aí um prato cheio para colunistas políticos travestidos de colunistas esportivos: juntou o time dos anarquistas, do populacho, com o operário nordestino que se meteu a ser presidente…

Ai, não dá, né? Ainda mais quando ambos, o time e o presidente apresentam atributos que encantam o povo e, logicamente, o eleitorado.

Aqui, no Brás, os fogos espoucaram durante toda a madrugada.

Subiam dos quintais de cortiços, das janelas de apartamentos minúsculos, de ruelas esquecidas e escuras, dos lugares onde o povo do Brasil ainda resiste, invisivelmente.

Ahhh… Quanto ódio, meu Corinthians, mas quanta amorosa resistência!

Parabéns pra você!


fabiosallum.blogdotrio@gmail.com

http://twitter.com/FabioSallum

http://www.formspring.me/FabioSallum

Anúncios

Responses

  1. Fábio,
    Parabéns pelo excelente nível das matérias publicadas pelo Blog do Trio.
    Nas poucas vezes que conversamos, pude perceber que vocês três são rapazes de ótima formação e caráter.
    Os textos refletem fidedignamente os vossos pensamentos, ou seja, escrevem o que pensam e falam com a liberdade que conquistaram com os esforços e trabalho de cada um.
    Isto posto, às vezes abuso um pouco do blog e aproveito para divulgar algum videozinho que faço com o intuito de divulgar as coisas do Corinthians.
    Ss cs permitirem:
    Queima de fogos e “abraço ao Clube”

    Discurso do Presidente Lula no Corinthians (1ªparte)

    Abraços e obrigado

    Fábio Sallum: João, obrigado pelas palavras e pelo carinho que sempre teve com a gente.

    Pena que, muitas vezes, não temos a oportunidade de conversar o tanto que gostaria.

    Você sabe que este espaço está sempre aberto para dividir conosco os vídeos e fotos dos principais eventos que envolvem o Corinthians.

    Infelizmente não pude ir no Abraço Fiel, mas vi que a festa foi realmente muito bonita!

    Abraços!

  2. Eu tinha lido esse texto em outro blog, mas de fato merece um post por parte do blog do trio. O texto realmente é muito bonito.

    Fábio Sallum: É um ótimo texto, realmente.

    Expressa bem o sentimento que nos envolve.

    Abraços!

  3. Hahaha!
    quer dizer agora que fica pendurado no saco do Ricardo Teixeira é anarquista?
    O nome do novo estadio bem que podia ser “Xatão”, aqueles piolhos que dão nos pelos pubianos 🙂

    Fábio Sallum: Jair, não distorça o belo texto!

    O Corinthians realizou o projeto sem pensar na Copa do Mundo.

    Calhou de ser o único projeto viável para o Mundial.

    Abraços!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: