Publicado por: Blog do Trio | 01/06/2010

4ª Pesquisa LANCE!-Ibope de torcidas

Amigos do Trio,

O Diário Lance divulgou os números de mais uma pesquisa de torcedores no Brasil. É a 4ª realizada pelo diário, em parceria com o instituto de pesquisa.

O Flamengo continua na liderança, com 33,2 milhões de torcedores, ou 17,2% da população.

Em seguida, vem Corinthians com 25,8 milhões, ou 13,4% e São Paulo com 16,8 milhões ou 8,7%.

Num segundo escalão, temos Palmeiras com 11,6 milhões, ou 6 % e Vasco, com 7,9 milhões de torcedores, ou 4% da população.

Abaixo, a lista completa:

Fonte: Diário Lance - Lancenet

A última pesquisa realizada em parceria entre o jornal e o instituto foi em outubro de 2004 (3ª Pesquisa Lance! Ibobe).

Naquela oportunidade, o Flamengo liderava com 33 milhões de torcedores, ou 18,13% da população, seguido por Corinthians com 24 milhões, ou 13,18%, São Paulo com 13,3 milhões, ou 7,3, Palmeiras com 11,8 milhões ou 6,48% e Vasco com 10 milhões, ou 5,49%.

Ou seja, vemos que a grande alteração foi na torcida do São Paulo, que em aproximadamente 6 anos ganhou 3,5 milhões de torcedores.

Em contrapartida, Palmeiras e Vasco, não sei se reflexo das más fases que passaram nesses últimos anos, perderam torcedores. Justiça seja feita, o decréscimo do Palmeiras é praticamente insignificante. Já o do Vasco é, de fato, preocupante, eis que em 6 anos o clube perdeu aproximadamente 2 milhões de torcedores.

Já na liderança, vemos os números estagnados. Flamengo e Corinthians ainda mantém uma confortável (e, para mim, imutável) vantagem sobre o São Paulo, com o rubro-negro perdendo um pequeno espaço na porcentagem da população (embora tenha ganho em número absoluto de torcedores).

Abaixo, uma tabela comparativa da porcentagem e número absoluto de torcedores entre as pesquisas de 2004 e 2010.

Segundo informou o diário Lance, a pesquisa ouviu 7.109 pessoas em todo o Brasil, a partir de 10 anos de idade, em 141 municípios de todos os tipos e tamanhos. A margem de erro é de 1,2 ponto percentual, para mais ou para menos. Isso significa que resultados separados por pelo menos 2,4 pontos estão em situação de empate técnico.

Aurélio Camargo

aurelio.camargo@blogdotrio.com.br

Siga-me no Twitter: http://twitter.com/aureliocamargo

Anúncios

Responses

  1. O Palmeiras está acabando. Está se tornando uma especie de Lusa. Até contratar o Candinho eles já tentaram. Lança uma enquete dirigida aos Palmerenses aí no site:

    Pra quem você vai passar a torcer assim que o Palmeiras acabar:

    ( ) Para o São Paulo, porque quero finalmente gritar “é campeão”
    ( ) Para o corintians, para poder continuar invejando o São Paulo
    ( ) Para o Juventus da Mooca para eu não estranhar a mudança

  2. Muito se falou, quando do duelo Corinthians x Flamengo, pelas oitavas de final da Libertadores, de “o confronto entre os dois clubes com as maiores torcidas do Brasil”, “uma disputa entre 60 milhões de pessoas”, “o clássico do povo”.

    De fato, Corinthians e Flamengo possuem ambos torcidas gigantescas; segundo as pesquisas de opinião, são “as duas maiores do Brasil”. E as semelhanças ficam por aí mesmo, na dimensão das torcidas. Pois a natureza da relação dessas torcidas com seus respectivos clubes é muito diferente. Resultado de histórias radicalmente distintas.

    .-.-.

    O Corinthians nasceu da gente humilde e sempre foi o Time do Povo (“O Corinthians vai ser o time do povo e o povo é quem vai fazer o time” – palavras de Miguel Bataglia, o primeiro presidente corinthiano). O Flamengo nasceu da elite, foi elitista, discriminou quem não era da elite, e depois se popularizou.

    O Corinthians foi fundado por um grupo de operários e artesãos, na rua. debaixo da luz de um lampião, em 1910. Um ano depois, em 1911, O Flamengo, clube de remo, acolheu os dissidentes do Fluminense F.C. (quase o time titular inteiro), e se tornou também um clube de futebol. Clube de gente fina: do time bicampeão carioca de 1914-15, nove jogadores eram estudantes de medicina, um era estudante de direito e um não fazia nada (“filhinho de papai”).

    .-.-.

    O Corinthians começou na várzea (que era onde os times formados por pessoas das classes sociais menos privilegiadas podiam jogar bola). Após alguns anos como “Galo da Várzea”, surgiu a oportunidade, em 1913, de disputar uma seletiva para participar do campeonato da LPF, devido à saída de equipes dissidentes que fundaram a APEA (as equipes da APEA queriam ser a elite da elite). O Corinthians ganhou a seletiva, o Time do Povo passou a jogar com os clubes da elite e exerceu papel fundamental na popularização do futebol em São Paulo. Mas houve, logo no início, uma traição: campeão paulista na LPF já em 1914, o Corinthians recebeu um “convite” para participar do campeonato da APEA de 1915. Quando o Corinthians pediu a desfiliação da LPF, veio a negativa da inscrição na APEA. E o Corinthians ficou “na cerca” em 1915… Até o final do ano, quando foi chamado para participar de um torneio beneficente contra os campeões da APEA e da LPF (torneio beneficente tem que dar renda; para dar renda, é preciso torcida; e quem tinha torcida era o Corinthians). O Corinthians bateu os dois campeões, e se tornou o Campeão dos Campeões. No ano seguinte, voltou para a LPF (após nova seletiva…) e conquistou seu segundo título paulista.

    Uma história marcante da época do amadorismo do Flamengo não é nada edificante. Em 1923, o Vasco participou pela primeira vez da primeira divisão do campeonato carioca. Com um time formado majoritariamente por negros e mulatos, o Vasco ganhou de quase todas as demais equipes, majoritaria ou exclusivamentemente formada por brancos. Na penúltima rodada, a chance de ser campeão, contra o Flamengo, nas Laranjeiras. A zona sul se uniu contra o Vasco. Criou-se um clima de guerra para a partida. A playboyzada pitbull do departamento de regatas do Flamengo levou seus remos embrulhados em jornal. Durante a partida, qualquer vascaíno que se manifestasse nas arquibancadas levava um golpe de remo na cabeça. O Flamengo, com seus onze jogadores brancos, ganhou por 3×2, e o Vasco saiu revoltado com um gol não validado pelo árbitro (o benemérito do Botafogo, Carlito Rocha), em lance em que a bola teria entrado. O carnaval que a vitória do Flamengo provocou na zona sul durou pouco, pois o Vasco acabou conquistando o título. Mas os clubes grandes da elite carioca não aceitaram o desaforo: exigiram que o Vasco se desfizesse de seus jogadores negros e mulatos se quisesse participar do campeonato do ano seguinte. Diante da recusa, Flamengo, Fluminense, Botafogo e América fundaram uma nova liga, para não ter que jogar contra o Vasco.

    Nesse contexto, é importante destacar que, pouco tempo antes, em 1922, na conquista do campeonato sul-americano, pela primeira vez um jogador considerado negro havia atuado pela seleção brasileira: Tatu, do Corinthians (na verdade, houve Friedenreich, que jogou pela seleção antes de Tatu; mas, ao contrário do corinthiano, não era visto como negro, pois era mulato claro, filho de pai alemão, tinha olhos verdes, usava o cabelo alisado e era jogador do Paulistano).

    .-.-.

    As conquistas da época do amadorismo tornaram o Flamengo popular, e o Corinthians ainda mais popular. Com o advento do profissionalismo, o Flamengo contratou os maiores jogadores negros do futebol carioca (Domingos da Guia, Leonidas, Fausto), intencionando se tornar o clube de maior torcida do Rio e do Brasil. Aqueles jogadores teriam um papel duplo nessa empreitada: conquistariam as vitórias, que por si propiciam mais seguidores; e atrairiam a simpatia do povão carioca, que se identificava naqueles ídolos. O Corinthians, curiosamente, enfrentou uma crise na transição para o profissionalismo: tricampeão paulista, sofreu um desmanche provocado pelas equipes italianas, que levaram os seus destaques (um deles Filó, tornou-se o primeiro brasileiro a conquistar uma copa do mundo, a de 1934, graças à dupla cidadania italiana obtida). Mas o Corinthians retomou o caminho das glórias, com um novo tricampeonato no final da década de 1930, no qual teve participação decisiva o artilheiro Teleco.

    Com o advento da época de ouro do rádio (década de 1940), o futebol se tornou ainda mais popular. As vitórias dos clubes eram difundidas pelas emissoras de rádios. As mais influentes em escala nacional eram as emissoras cariocas (sediadas na então capital da República). Dentre os radialistas esportivos cariocas destacavam-se Ari Barroso e Jorge Cury, ambos rubronegros fanáticos, que não tinham o menor pudor em, diante do microfone, pender para o seu clube do coração. O Corinthians não tinha tanta “sorte” assim: a mais importante rádio paulista, em termos de esporte, era a Panamericana (futura Jovem Pan), propriedade de Paulo Machado de Carvalho, sãopaulino histórico e diretor do SPFC por décadas. Paulo Machado de Carvalho chegou a comandar um conglomerado de mídia que incluía a TV Record, a Rádio Record, a Rádio Excelsior, a Rádio São Paulo e a Rádio Panamericana (Jovem Pan). Quando se tem em conta que o mais importante jornal paulista, O Estado de São Paulo, sempre foi de propriedade da família Mesquita, a qual participou da fundação do SPFC, não fica difícil deduzir qual clube paulista é o tradicional “queridinho” da mídia local.

    Mas a popularidade corinthiana é imanente, é essencial, e não depende de tratamento benevolente dispensado pelos “veículos formadores de opinião”. Tanto é assim que, em 1956, o diário Última Hora resolveu fazer uma enquete, no Rio de Janeiro e em São Paulo, para saber qual era “a maior torcida do Brasil”. O vencedor foi o Time do Povo, o Corinthians, com 737 mil votos. Em segundo lugar, ficou o Flamengo, com 538 mil votos.

    .-.-.

    O martírio de vinte e dois anos sem conquistar um título paulista afetou a torcida corinthiana. Mas não como afetaria qualquer outra torcida do Brasil: cresceu o tamanho e o amor da Fiel por seu time. A história do Corinthians é repleta de glórias, mas é pontuada de grandes dificuldades e de sofrimento. Nada foi tão demorado e sofrido quanto a espera pelo fim da fila. Quando ocorreu a Libertação, o que se viu foi a maior e mais intensa comemoração de título de um clube brasileiro em todos os tempos. Mais que uma festa, foi uma catarse de milhões, uma mistura de carnaval com Juízo Final, um acontecimento irrepetível. A partir do qual o Corinthians era ainda maior do que já havia sido (e, antes da fila, o Corinthians já havia se tornado o maior de todos).

    Coincidente com o jejum corinthiano foi o advento da televisão nos lares brasileiros. A primeira emissora a estabelecer uma rede nacional de transmissão foi a Rede Globo, sediada no Rio de Janeiro, que teve um crescimento imenso, desproporcional em relação às concorrentes, durante o regime militar. A Globo continuou e transcendeu o trabalho que as rádios faziam de difusão do futebol carioca, com atenção especial ao nome do Flamengo, tratado de modo constantemente ufanista e festivo.

    .-.-.

    O resultado é o gigantesco contingente de seguidores que o Flamengo angariou. Mais do que torcedores, boa parte é de admiradores: pessoas que gostam e acompanham o Flamengo como a uma novela, que lhes oferece entretenimento, emoções e ídolos.

    Muito diferente é a relação da Fiel com o Corinthians. Aqui trata-se de uma devoção, quase uma religião. O Corinthians, para grande parte de seus torcedores, é a coisa mais importante da vida. O corinthiano tem a sua família, o seu trabalho, a sua religião; alguns dão mais importância para isso, outros para aquilo; mas o que está sempre presente, o que condiciona a sua vida, é a paixão pelo Corinthians.

    Quando se enfrentam Corinthians e Flamengo, não se trata de um confronto entre iguais, entre “irmãos”. Ocorre o confronto ente dois clubes que congregam duas imensas e díspares legiões de seguidores: os admiradores do Flamengo e os fanáticos torcedores do Corinthians. Os flamenguistas, adeptos do oba-oba, querendo mostrar a sua alegria; os corinthianos, apaixonados e sem vergonha de mostrar a sua devoção. O Flamengo, festivo, de raizes na elite, que conseguiu fazer frutificar um enorme contingente de admiradores. O Corinthians, razão do viver dos seus torcedores, Time do Povo desde o seu surgimento.

    Corinthians, o time da Fiel, a maior e mais apaixonada de todas as torcidas.

  3. ae babaca, a fiel é que domina o Brasil… a fiel é a maior de todas… esse papo de flamengo é só pra babar ovo pra carioca….. vvvai fiel.. vaaai coringão…. porra……… ah eu to maluco.. a fiel domina…. a fiel… a fiel domina tudo…. puta que parou…. ah eu to maluco…..

    Caro Vitão..
    Vc só errou o tempo verbal…
    Vc não ESTÁ maluco..
    Vc É maluco!
    Abs,
    Aurélio

  4. Que engraçado…um time tão “campeão” como o São Paulo não consegue de jeito nenhum passar a torcida do Timão….

  5. Aurélio,
    Com todo respeito, não existe torcida mais animada e mais fiel que a do Timão….
    A história do crescimento da torcida do SP eu escuto desde criança.. Acho que vou morrer e não vou ver o Esperanto como idioma universal e o SP com uma grande torcida…
    Só para os demais morrerem de inveja..Olhem a festa contra o Peixinho….

    ABçs

  6. O Corinthians é o Time do Povo.

    O Flamengo é o time da Globo.

  7. Os corinthianos só podem mesmo estar de brincadeira….. ou meohor, de piada…
    A torcida do Corinthians é animada??? Faz festa?
    Oras, só mesmo um fanatismo cego, ou um desconhecimento total da realidade podem conduzir a essa dedução….
    Concordo que a torcida do Corinthians é muito grande. Concordo que a GAVIÕES DA FIEL é a torcida mais ORGANIZADA do Brasil.
    Agora, de fazer festa em estádio, VCS NÃO ENTENDEM NADA!
    Vcs não sabem fazer festa no estádio.
    Só bandeirão e paródia de música famosa não é fazer festa não…
    Festa é isso:

    e isso:

    Ou como já vi o Aurélio mostrando aqui, torcidas da Argentina…
    Isso sim é festa….
    o que vcs fazem, nem festinha de criança é!

  8. Torcida do Corinthians fazendo festa no estádio???
    HAHAHAHAHAHAHA
    É piada???
    qual a próxima?
    Coréia do Norte campeã da Copa?!?!?
    rsrsrsrsrsrsrsrsrsr
    como bem disse o Alberto, a torcida é gigantesca…. a Gaviões uma puta organizada…
    mas festa vcs não sabem fazer não!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: