Publicado por: Blog do Trio | 09/11/2009

Parabéns, Vasco da Gama!

aurbar

Amigos do Trio,

Tivemos no sábado o retorno à primeira divisão de mais um clube grande que havia caído para a Série B.

Com a vitória de 2×1 sobre o Juventude, em um Maracanã com 80 mil pessoas, o Clube de Regatas Vasco da Gama retorna à elite do futebol Brasileiro.

Além da salutar volta de um time grande à primeira divisão, vejo outros dois aspectos positivos no acesso.

Primeiro, por se enterrar de vez no clube a era Eurico Miranda.

Se o presidente à época do descenso já era Roberto Dinamite, todos foram unânimes em apontar que o rebaixamento de 2008 se deu por conta da administração de Eurico.

E, o retorno da forma que se deu, com o time “sobrando” na Série B, serve apenas para coroar este início de nova era do Clube, após tantos anos de desmandos.

Segundo ponto, e aí deveras importante para o futebol Brasileiro, pois mais uma vez vemos um time grande cair e voltar na bola, no campo.

Após as absurdas e asquerosas viradas de mesa protagonizadas pelo Fluminense na segunda metade da década de 90, dá gosto ver que no Brasil time grande cai e volta na bola.

Para quem não se lembra, o Fluminense foi rebaixado no Brasileiro de 1996.

E, em uma ardilosa manobra junto à CBF, rasgou o regulamento e disputou a primeira divisão normalmente em 1997.

Mas, como os deuses do futebol punem, o time foi novamente rebaixado em 1997.

Disputou a Série B em 1998, e, pasmem, conseguiu ser rebaixado para a Série C.

Disputou e foi campeão da terceirona em 1999.

Deveria, assim, disputar a Série B em 2000, certo?

Errado!

Naquele ano os clubes resolveram brigar com a CBF e criaram a tal “Copa João Havelange”, com a inclusão do Fluminense.

Em 2001 o Brasileiro voltou a ser organizado pela CBF.

E o Fluminense, “como quem não quer nada”, foi incluído normalmente no campeonato.

Ou seja, o time pulou da terceira para a primeira direto, sem disputar a segundona.

Mais uma triste passagem do futebol brasileiro.

História que, felizmente, passou a mudar a partir de 2002, com os rebaixamentos de Botafogo e Palmeiras.

Em 2003 os dois disputaram a Série B, e voltaram na bola.

E assim se repetiu em 2005 com o Grêmio, 2006 com Atlético-MG, 2008 com Corinthians e, agora em 2009 com o Vasco.

Parabéns à equipe da colina.

Que este rebaixamento sirva de lição.

E quanto ao Fluminense, caso seja mesmo rebaixado, que vá, jogue, e volte na bola, no campo, na honestidade, apagando uma das maiores vergonhas não só de sua história, mas sim de todo o futebol Brasileiro.

aureliocamargo.blogdotrio@gmail.com

http://twitter.com/aureliocamargo

 

 

Anúncios

Responses

  1. caro Aurélio, Parabenizo também a todos os times q cairam na bola e voltaram dignamente na bola, porém vc citou o Fluminense mas se esqueceu de outro Tricolor q virou a mesa… O São Paulo no Campeonato Paulista de 1991…
    abraço…
    Saudações Corinthianas!!!!!!!!

    Wagnão,
    Sabia que levantariam essa história!
    Veja: http://www.youtube.com/watch?v=o6wqEcmDCGY
    Mais claro, impossível!
    Abraços,

    Aurélio Camargo

  2. há controvérsias… mas deixa pra lá… agora o título está nas mãos de vcs como eu havia previsto….
    abraço

    Wagnão,
    qto ao campeonato desse ano, já esteve tão na mão do Palmeiras, que eu prefiro aguradar o final do campeonato para falar qq coisa!
    Se eles perderem, será a maior derrota da história de um campeonato por pontos corridos!
    Abraços,
    Aurélio Camargo

  3. Véio, só me lembro do Atlético Paranaense em situação parecida apesar de q acho q não liderou por tantas rodadas seguidas assim né…… o Muricy continua dando títulos pra vcs hein…kkkkk
    abraço

    Não liderou e nem teve tal vantagem de pontos…
    O Palmeiras chegou a ter a possibilidade abrir 7 pontos…
    Mas, sinceramente, com aquele lance do Simon ontem, nem dá muito gosto de comemorar não…
    Aquilo foi, ao lado do pênalti da formiga, mostrado aqui no blog (https://blogdotrio.wordpress.com/2009/04/28/o-nosso-arbitro-na-copa-do-mundo/) um dos lances mais bizarros que eu já vi!

    Abs,
    Aurélio Camargo

  4. Engraçado, vocês falam do Fluminense como se todos os demais clubes fossem certinhos. QUEM É O FDP QUE IRÁ ATIRAR A PRIMEIRA PEDRA, SE ESTIVER 100% CORRETO? Lembro-me que, em 2008, no Fluminense enfrentou o São Paulo no Morumbi, pelo Brasileirão. A festa estava toda armada pela conquista antecipada ao título, quando o 1 x 1 foi injusto, porque um jogador do Fluzão sofreu penalti e não foi marcado… O São Paulo conseguiu mudar a arbitragem do jogo contra o Goiás, que poderia estragar tudo na vida dos São Paulinos. O Corinthias já ganhou com a ajuda do Kia, e sabemos que outros clubes só conseguiram alguma coisa com ajuda de outras. O PATÉTICO PARANAENSE discaradamente abriu as pernas para rebaixar o Fluminense. E lembre-se, não foi só o Fluzão que se beneficiou em 1996. Então, soquem suas linguas venenosas nos seus devidos buracos. In your ass. Publiquem esse comentário se for homem.
    Saudações Tricolores!!!

    Marcão,
    Ah sim, é verdade….
    O Bragantino foi o outro beneficiado com a virada de mesa de 1996….
    Até, claro, faz todo o sentido que a virada de mesa tenha sido arquitetada pelo todo poderoso time de Bragança….
    E, quanto ao acesso direto da Série C para a Série A, em 2000, vê-se que é a coisa mais comum do futebol!!
    Gde abraço,
    Aurélio Camargo

  5. boa tarde Aurélio, tudoi blz… deve estar, o seu tricolor afinal é lider novamente, kkkkkkk
    Eu tenho 34 anos e já vi muito absurdo em nosso futebol. Viradas de mesa, mudança nas regras no meio do campeonato, time grande que caiu em um ano e foi campeao no ano seguinte, favorecimento aos time grandes de todos os estados, ninguém é tão inocente que possa jogar uma pedra…. mas isso é Brasil……
    Parabéns ao Vasco e ao Roberto Dinamite, o Rio agradece e o futebol brasileiro também.

    Obs: mas este ano vai dar MENGÃO, rsrsrrss

    Um grande abraço meu irmão.

    Fala Cléber, tudo bem?
    Pois é, depois de quase 1 ano, finalmente o Tricolor voltou a ser líder do Brasileiro.
    Mas vou te falar… Com aquele lance do Simon ontem, não dá nem ânimo para comemorar…..
    Foi absurdo!
    Mas enfim, estamos lá!
    Qto ao Vasco, é como eu falei! É muito bom ver um clube grande de volta à primeira divisão, e subindo na bola, no campo!
    Te confesso que acredito muito na força do Flamengo. Arriscaria a dizer que é o grande rival do SPFC na reta final.. Até mais que o Palmeiras!
    Abraços,
    Aurélio Camargo

  6. O Fluminense é o time mais imundo do futebol brasileiro!

  7. AE CUZOES, YOUNG FLU VAI ARREGACAR TUDO AQUI NESSE BLOG DE PORRA….
    BONDE DO MAU

    Nossa, que medo……….

  8. Meu amigo vou te dizer uma coisa, esse lance de arbitragem é coisa de chororo… que os cara são ruins todo mundo, estão abaixo de nosso futebol, mas muito abaixo…. mas pera ai….. dar chilique quando o arbitro erra contra o nosso time e se omitir quando nos favorece é no minimo palhaçada ou é uma bich…. saindo do armario. Pô Aurelio todo mundo tem motivo para criticar, chorar e se omitir em relação a arbitragem. Postei em meu blog um texto do Rica Perrone que mostra muito bem esse impace, os cara são ruins mesmo, mas roubam pra todo mundo.

    Cleber,
    Eu vi esse texto do Perrone…..
    Interessante mesmo!
    Abraços,
    Aurélio Camargo

  9. Fala Aurélio,

    Acho engraçado que as pessoas vêem o Fluminense como o único responsável pela sua subida direto pra série A. Como se ele tivesse imposto isso sobre todos os outros clubes e subido na força. Vc não acha mesmo que os outros clubes não tiveram nada com isso né?

    Os palmeirenses chorando está bem engraçado. Revoltante mesmo é a imprensa tomando parte disso e, para variar, não mostrando os fatos como eles são. Além do mais não entendo essa condescendência com o Belluzzo. Queria ver se o destemperado fosse o Sanchez (nem estou defendendo o presidente do Timão, pq ele é um lixo mesmo).

    E legal sua msg de parabéns ao Vascão. Prefiro ver os rivais na Série A para ganhar deles. E antes um Vasco na série A do que um Barueri.

    abs

    Fernando,
    Vejo o próprio Fluminense como maior interessado nas viradas de mesa.
    Tanto que, depois de 2003, não tivemos mais isso!
    Vc falou tudo… O Vasco acrescenta muito mais ao campeonato que Barueri e Santo André…..
    Abs,
    Aurélio Camargo

  10. Aurélião, mas o penalti formiga foi admitido pelo zagueiro adversário…
    http://www.espbr.com/noticias/zagueiro-fortaleza-volta-atras-admite-pode-ter-cometido-penalidade_globo

    e a liderança já era pra ser de vcs no domingo passado pois o Danilo q fez o gol não devia estar em campo para fazê-lo e houve ainda um penalti no Dentinho… ao q parece vcs merecem ganhar o título pq não se esforçaram tanto como os outros para perdê-lo…
    Abração

    Wagnão,
    Não tenho dúvidas que esse zagueiro foi mto pressionado por alguém para falar isso…..
    A imagem é mais que clara….
    Aliás, acabei de ver que o link que tinha no post aqui do blog foi tirado do ar…
    Então achei esse outro aqui no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=UzPqMnEebnE
    É mais que claro que o atacante do Ceará caiu, literalmente, de maduro!!!!
    Pois é…. Vc falou tudo…. o maior mérito do São Paulo, caso seja campeão nesse ano, é não ter se esforçado tanto para perder o título…
    E o Simon foi afastado hj.. Parece que não apita mais no Brasileiro….
    E é esse o árbitro que vai nos representar na Copa do Mundo!
    Brincadeira isso………
    Abração,
    Aurélio

  11. Em boa hora o texto…. É bom relembrarmos os fatos, pq o time da turma do pó de arroz está para despencar de novo… e o que vimos ontem?? Tá certo, como bom corinthiano, eu disse ao lado de um amigo palmeirense na hora do jogo: Falta claraaa, era pra ter expulsado o Obina!!! rsrs Mas não há como dizer que não foi vergonhoso o erro (vulgo malandragem) do Simon… Existem times que não podem cair… Fla & Flu sabem bem disso….

    Dessa vez, não temos nada a ver com a sujeira! Ufa! rs

    Abraços

    Felipe,
    Prefiro, sempre, acreditar que não existe má-fé….
    Prefiro focar com a idéia que o Simon é ruim mesmo!
    Mas que as viradas de mesa de 96/97 e 2000/2001 foram vergonhosas, isso foram!
    Abraços,
    Aurélio Camargo

  12. Antes de mais nada, meus parabéns ao Vasco da Gama pela merecida volta à Série A. Quanto às bobagens que você escreveu sobre o Fluminense, vou lhe explicar o que realmente aconteceu em relação às tais “viradas de mesa”, usando para isso um texto do tricolor Marcelo Liporace que foi publicado recentemente no Garamblog. Uma brilhante exposição daqueles fatos que enfeiaram a trajetória do futebol brasileiro. Leia, aprenda e, principalmente, respeite o Fluminense, um dos clubes de maior tradição do futebol brasileiro!

    “Inúmeras vezes o Fluminense é mencionado depreciativamente na mídia esportiva. Os motivos são sempre criativos, apesar de muitas vezes estapafúrdios, descontextualizados da verdade dos fatos, como a tal versão fantasiosa e sistematicamente construída de que estamos na primeira divisão do futebol brasileiro por uma virada de mesa solitária. O comentário, retirado de seu contexto real, serve apenas à desinformação e ao reforço de um preconceito perverso.

    A história do futebol brasileiro só poderá ser contada se contada como a própria história das viradas de mesa. Não se pode afirmar onde uma acaba e começa a outra, tal a promiscuidade entre seus enredos. Mas não precisamos ir tão longe; vamos começar pelo ano de 1981, quando Palmeiras, Bahia, Coritiba, Guarani e Náutico, cujo desempenho nos campeonatos estaduais foi pífio, descredenciando-os a disputar o Brasileiro, receberam gentilmente o convite para participar da festa da elite, sob o grotesco álibi de um regulamento que permitia que em um mesmo ano os clubes que disputassem a Taça de Prata pudessem ascender à Primeira Divisão. Em 1982 os beneficiários desse esdrúxulo critério foram, entre outros, Atlético Paranaense e Corínthians, os mesmos de quem vamos falar mais à frente.

    Em 1986 o mesmo Botafogo do fanfarrão Bebeto de Freitas devia cair à luz do regulamento do Brasileiro daquele ano. O Clube dos 13 prontamente correu em socorro de seu afiliado e promoveu a Copa União, mantendo o alvinegro carioca no andar de cima. Em 1993, já aí comovida com o desespero do Grêmio, que não subiu pelo campo, a CBF fez retornar à Série A os doze primeiros da B, ajudando de lambujem o Vitória da Bahia, oferecendo-lhe elevador para a cobertura em plena competição. Foi o São Caetano da vez. Há ainda os casos de São Paulo, Vasco e Santos, que não conseguiram desempenho nos estaduais de forma a credenciá-los à divisão da elite, mas foram convidados, aceitando a mesura docemente constrangidos. Há muito mais. Mas para o que aqui vai se argumentar é o que basta.

    O Fluminense, pelos critérios vigentes em 1996, deveria ter sido rebaixado. Muito bem. Mas isso caso o campeonato tivesse transcorrido em um ambiente de normalidade esportiva. Qual o quê! Tão logo se encerrou a farsa, o Brasil assistiu perplexo a uma série de reportagens do Jornal Nacional trazendo à tona um dos maiores escândalos não apenas do futebol brasileiro, mas de toda a nossa pródiga história de escândalos. Vinha à luz o indecente episódio do 1-0-0, que ficou conhecido como o Caso Ivens Mendes. Sob o olhar estarrecido da sociedade brasileira, o JN denunciava um imoral esquema de manipulação de resultados, capitaneado pelo diretor de arbitragem da CBF e pelos senhores Alberto Dualibi e Mário Petráglia, dos reincidentes Corínthians e Atlético Paranaense. Naquele momento o futebol brasileiro se viu diante de sua maior vergonha, vazou o fundo do poço nas asas da prostituição de quem por ele deveria zelar.

    Quando se esperava a punição criminal dos envolvidos e o sumário rebaixamento das agremiações beneficiadas pelo esquema (que, por sinal, ganharam títulos nacionais após a irrupção do escândalo), adotou-se a solução salomônica e asquerosa de não rebaixar ninguém, limitando-se a CBF a punir desportivamente os dirigentes, e não os clubes imoralmente beneficiados. Nesse momento de mancha histórica de nosso futebol a decisão includente e equivocada deveria ter sido objeto de repúdio por parte de todos os dirigentes dos clubes não envolvidos e por toda a imprensa ética. Não se viu nem uma coisa nem outra. Em vez de protestar publicamente contra a imoralidade, um abjeto dirigente tricolor, destituído da representatividade emanada da imensa maioria de nossa torcida, fez do deboche a expressão do regozijo, espocando um champanhe que nos transformou em inimigo prioritário da opinião pública. Aquele gesto, abominável em si, teve ainda o condão de desviar do foco das medidas que deveriam ser adotadas para iniciar-se a moralização do futebol brasileiro com a punição dos responsáveis por um episódio chulo e vergonhoso, o do esquema 1-0-0. O champanhe foi o habeas-corpus da quadrilha, esta uma expressão muitas vezes usada pelo Jornal Nacional para definir a turma dos dedos leves e contas pesadas.

    O Fluminense caiu em 1997. E disputou a Segunda Divisão. Caiu em 1998, e, para espanto de uma opinião pública descrente, disputou e ganhou a Terceira Divisão, tendo a correr pela beira das várzeas em que jogamos um técnico tetracampeão do mundo. Só o Fluminense, por seu passado e peso em nossa história, pôde se dar esse luxo. Estávamos preparados para disputar a Segunda, em 99, quando um imbroglio jurídico – por sinal, mais uma vez envolvendo até a medula a vestal Botafogo, do ínclito Bebeto, e o São Paulo do nem tão ínclito Sandro Hiroshi – patrocinado pelo Gama, prometia inviabilizar a realização do Brasileiro de 2000. À semelhança de 87, com a Copa União, optou-se por entregar ao Clube dos 13 a organização do Brasileiro, que recebeu a redentora alcunha de Copa João Havelange. Foram muitos os convidados, afinal a JH contou com a oceânica participação de 116 clubes! Seu regulamento era um convite ao delírio, e possibilitou inúmeras “viradinhas” de mesa nos módulos inferiores. Foram mais de 10! A JH produziu ainda um absurdo diante do qual toda a imprensa brasileira se calou: o fato de o São Caetano ter se habilitado à Libertadores sem que houvesse disputado a Primeira Divisão. Estranho, não é?

    Se a JH serviu como base para definir os representantes brasileiros na Libertadores, por que não serviria para definir os participantes de nossa Primeira Divisão do ano seguinte? E aqui cabe lembrar: da JH a 2002, o Fluminense foi o clube brasileiro que mais pontos acumulou na divisão de elite.

    Recusamos veementemente o papel de beneficiário exclusivo das armações do futebol brasileiro. Somos a torcida líder em acesso à internet; a responsável por transformar um simples uniforme, o laranja, no maior fenômeno de vendas entre todas as torcidas brasileiras; só perdemos em exposição de mídia, em 2002, para os finalistas Santos e Corínthians; batemos freqüentemente os recordes de audiência em TV por assinatura; somos uma nação orgulhosa de sua história, um clube de massa, com representação em todo o território nacional.

    A ter que recuar para que se restaure o império da ética, voltemos a 1996, quando a face podre se tornou visível. Aí sim poderemos zerar o hodômetro moral do futebol brasileiro, com a punição exemplar dos envolvidos no episódio Ivens Mendes, inclusive as agremiações beneficiadas por essa nódoa de nossa história. Até lá exigimos que o Fluminense seja respeitado pela força de sua torcida e tradição, que não pode ser confundida com atitudes isoladas de inquilinos transitórios de Álvaro Chaves.

    Não se pode embaralhar o Fluminense com o gesto isolado de um dirigente, assim como não se pode tomar o Botafogo pelo Bebeto; o Vasco pelo Eurico; a Globo pelo Galvão; a ESPN pelo Trajano. Citar o Fluminense como beneficiário exclusivo das nefandas articulações de bastidores, como exemplo único de transgressão às normas, é de um delírio cretino. Ao citar um caso isolado, tragam-no para o ambiente cultural em que ele se forjou, um ambiente em que não há bandidos nem mocinhos, e sim uma absurda cumplicidade e omissão. Só os torcedores podem mudar esse quadro.

    Como nos ensinou um dos mais ilustres tricolores, o imortal Nelson Rodrigues: ‘Fluminense tem a vocação do eterno: tudo passará, só o Fluminense não passará’.”

    Espero que você tenha finalmente entendido o que aconteceu e pare de escrever bobagens.

    Saudações Tricolores.

    Caro Rodolfo,
    Muito interessante e bem escrito o seu texto.
    Concordo, todos os envolvidos no escandalo Ivens Mendes.
    Agora me responda uma coisa: O Fluminense foi prejudicado em algum jogo no Brasileiro de 1996??
    Por favor, me aponte os jogos onde o Fluminense foi prejudicado naquele campeonato.
    Nada contra o clube, a instituição Fluminense. Não é esse gigante todo que se coloca, mas é um clube simpático.
    Agora, não me peça para engolir as viradas de mesa da década de 90, pois isso é impossível.
    Abraços,
    Aurélio Camargo


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: